keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Condenado a 25 anos por feminicídio deverá indenizar os pais e os filhos da vítima

Mais de 25 anos de reclusão foi a pena aplicada ao autor de um brutal feminicídio, denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) na Comarca de Capinzal. Além da prisão, o réu deverá indenizar […]

X
Divulgação

Mais de 25 anos de reclusão foi a pena aplicada ao autor de um brutal feminicídio, denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) na Comarca de Capinzal. Além da prisão, o réu deverá indenizar os pais e os filhos da vítima em R$ 50 mil. A pena foi aplicada em sessão do Tribunal do Júri realizada na Câmara de Vereadores de Capinzal nesta quinta-feira (29/10), que também condenou o réu por ocultação de cadáver.


Perante o Tribunal do Júri, a Promotora de Justiça Francieli Fiorin sustentou que o homicídio foi qualificado por ter sido praticado mediante dissimulação e meio que dificultou a defesa da vítima, por ter sido praticado com extrema brutalidade, caracterizando meio cruel, e por se tratar de feminicídio, ou seja, praticado por razões da condição do sexo feminino da vítima, envolvendo violência doméstica e familiar.

O crime foi praticado em julho de 2019. O réu chamou a vítima para conversar em sua casa, dissimulando haver aceitado o término do relacionamento e ocultando sua intenção de matá-la. Estando frente a frente com o réu, a vítima foi por ele violentamente agredida com um golpe no rosto, que provocou o desmaio. 

Com a mulher desacordada, ele cortou com profundidade o pescoço dela. Depois, colocou o corpo no carro, levou-o até uma ponte e se desfez dele no Rio Uruguai. O corpo só foi localizado quatro dias depois, por indicação do próprio réu, que nesse momento estava preso preventivamente pelos crimes de tráfico de drogas e associação ao tráfico, em outra investigação em andamento à época.
A tese do Ministério Público foi integralmente acolhida pelo conselho de sentença. A pena total aplicada pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver foi de 25 anos, quatro meses e 10 dias de reclusão, em regime inicial fechado. A sentença é passível de recurso, mas, preso preventivamente desde a época dos fatos, o réu não poderá fazê-lo em liberdade.

O Juízo do Tribunal do Júri, conforme requerido pela Promotora de Justiça, também determinou que o autor do crime indenize os pais e os filhos da vítima – fruto do relacionamento que teve por nove anos com o réu – em R$ 50 mil, divididos igualmente entre os beneficiários. Os nomes do réu e da vítima foram omitidos devido ao fato de o processo estar protegido por segredo de justiça.

Fonte: Visor Notícias

Segurança

Operação apura organização criminosa voltada ao tráfico de drogas em Florianópolis e Itajaí

Mandados de prisão preventiva e busca e apreensão foram expedidos a pedido do MPSC e cumpridos com apoio da Polícia Militar e do GAECO em Florianópolis e Itajaí

Segurança

Mulher que liderava organização criminosa é presa em Santa Catarina

A Polícia Civil deflagrou a operação Serramar na manhã desta quinta-feira (26) em Lages, local em que foi cumprido um mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça contra uma mulher. Ela é suspeita de envolvimento […]

Segurança

Deic prende em Itapema e Tijucas quadrilha que roubava caminhões em SC

Também foi localizado o galpão em Itajaí usado pela organização para a desinstalação de rastreadores

Segurança

Polícia Civil prende homem de 48 anos por furto em Xanxerê

A Polícia Civil prendeu um homem de 48 anos por furto, no Bairro Santa Cruz, em Xanxerê. O homem foi preso pelos agentes da Divisão de Investigação Criminal (DIC/FRON), na terça-feira (24). Trata-se de um […]

Segurança

Suspeito de estuprar enteada de 11 anos é preso em Palhoça

A Polícia Civil prendeu em Criciúma um homem suspeito de estuprar a enteada. Foi na tarde de quarta-feira (25). Os crimes aconteciam desde 2018 quando a vítima tinha 11 anos, em Palhoça, na Grande Florianópolis. […]

Mais notícias