keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Como era o jovem responsável pela chacina na creche de Saudades

Arma de R$ 5 mil, bullying e frieza: o que se sabe sobre o atentado em creche de SC

X
Arquivo Pessoal

Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, que invadiu a creche Pró-Infância Aquarela, em Saudades, no Oeste do Estado, e matou com golpes de espada, cinco pessoas sendo duas professoras e três bebês, era um jovem introspectivo e não tinha amigos. O delegado responsável pelo caso, Jerônimo Marçal Ferreira, disse que o rapaz é “problemático” e que ele sofria bulling na escola. As informações foram repassadas durante coletiva de imprensa na terça-feira (4).  

“É um perfil que hoje já é comum na sociedade. Um jovem que se tranca no quarto e ninguém sabe o que estava fazendo no computador. Gostava de jogos on-line, alguns violentos”, explicou o delegado. A motivação para o crime ainda segue sem uma resposta. O que se sabe até o momento são alguns detalhes como o valor da arma Katana, uma espada milenar de origem japonesa avaliada em mais de R$ 5 mil, para realizar a chacina. A arma, que é rara de ser encontrada no Brasil, costuma ser utilizada como decoração por colecionadores.

Fabiano ainda estava no ensino médio e trabalhava em uma empresa do município. Segundo a polícia, ele estava com R$ 11 mil em espécie guardados em casa. Segundo os familiares relataram, eram economias do jovem. Como não costumava sair de casa, estava guardando o dinheiro.

Como o crime aconteceu

O agressor chegou de bicicleta na escola por volta das 10h. Ao entrar no local, atacou a primeira vítima, a professora Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos. Mesmo ferida, ela correu para a sala onde estavam quatro crianças, além da agente educativa Mirla Amanda Renner Costa, de 20 anos.

 A professora e duas crianças morreram ainda na sala de aula. Já Mirla e uma das crianças foram socorridas, mas não resistiram aos ferimentos e morreram no hospital. Uma quarta criança, um menino de 1 ano e 8 meses, também foi socorrido. Ele foi transferido ao HRO (Hospital Regional do Oeste), em Chapecó.

O menino passou por uma cirurgia na região do pulmão e segue estável, em recuperação. Ele saiu da UTI e foi transferido para o Hospital da Criança, onde está em leito clínico. A informação foi repassada pela assessoria do HRO no fim da tarde desta quarta-feira (5). De acordo com as equipes de socorro, o jovem disse “matei cinco, né?”,  enquanto ainda estava na ambulância. Após cometer a chacina, Fabiano tentou suicídio. Ele foi atendido e transferido em estado grave para o HRO.

As crianças mortas foram Sarah Luiza Mahle Sehn, 1 ano e 7 meses, Anna Bela Fernandes de Barros, 1 ano e 8 meses, e Murilo Massing, 1 ano e 9 meses. A identidade foi confirmada pelo IGP (Instituto Geral de Perícias).

Fonte: ND+

Segurança

Receita e Anatel apreendem 16 mil aparelhos de “gatonet”

De acordo com a Receita, os aparelhos foram adulterados de fábrica para realizar pirataria de canais pagos, filmes e outros conteúdos restritos.

Segurança

Acidente que causou explosão de motos deixou uma vítima consciente e duas intubadas em Brusque

Foram três vítimas envolvidas no acidente na noite de segunda-feira (14)

Segurança

Operação conjunta entre polícias de SC e SP busca por arrombadores de bancos no Norte de SC

Foram identificadas três pessoas pelo crime. Nesta terça-feira, os policiais recuperaram dinheiro e apreenderam um carro de luxo em Joinville.

Segurança

Vídeo: Polícia apreende quase uma tonelada de maconha dentro de casa em Joinville

A carga, avaliada em R$ 3 milhões, estava escondida em uma residência

Segurança

Professores da rede estadual devem ter salário de pelo menos R$ 5 mil

Conforme Moisés, nenhum professor com curso superior e carga horária de 40 horas, deve ter remuneração inferior a R$ 5 mil.

Mais notícias

Economia

Programa Terra Boa distribui 200 mil sacas de sementes de milho

Com o Terra Boa, o agricultor recebe até cinco sacos de semente e devolve em sacos de milho no próximo ano, com o produto da colheita.

Geral

Família de Brusque se muda para a Espanha em busca de tratamento de imunoterapia para salvar filha pequena

Aos 4 anos de idade, Helena foi diagnosticada com câncer em estágio grave