keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Comercialização de ostras e mexilhões continua interditada durante esta semana

De todos os 25 pontos analisados, quatro deram positivos e estão localizados em Penha, Porto Belo, Governador Celso Ramos e Balneário Camboriú.

A interdição da comercialização de ostras, vieiras, mexilhões e berbigões devido à presença de toxina paralisante (PSP) no Litoral de Santa Catarina, anunciada na última semana pela Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, está mantida durante esta semana. Nesse caso, fica proibida a retirada, comercialização e consumo desses moluscos, inclusive nos costões e beira da praia.

De todos os 25 pontos analisados, quatro deram positivos e estão localizados em Penha, Porto Belo, Governador Celso Ramos e Balneário Camboriú.

“Todas as regiões continuam interditadas, mas nesta semana vamos ter uma noção mais clara da situação e saber se é possível liberar alguma área. No site da Cidasc, é possível acompanhar o boletim com as análises das regiões e ver se já estão liberadas”, destacou o gerente de Pesca e Aquicultura, Sergio Winckler da Costa.

“Como não temos uma noção da abrangência e de como se movimenta esse fenômeno, estamos fazendo o máximo de análises possíveis para que a gente possa ir desinterditando áreas que não foram contaminadas. Esse monitoramento já ocorre há quase 20 anos em três toxinas e é uma rotina. Santa Catarina é o único estado brasileiro que faz isso, apesar de alguns estados terem o cultivo, como Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Nenhum deles monitora e tem esse controle como aqui”, explicou o gerente.

O PSP é causado por toxinas do grupo saxitoxina que podem causar diarreia, náuseas, vômitos, dores abdominais, perda de sensibilidade nas extremidades corpo e, em casos severos, paralisia generalizada e óbito por falência respiratória. Os sintomas podem começar a aparecer imediatamente ao consumo dos moluscos contaminados. São estáveis e não são degradadas com o cozimento ou processamento dos moluscos.

Todos os moluscos filtradores, independente se são ou não cultivados, podem acumular as toxinas. É importante salientar que a presença da PSP na água não representa risco aos banhistas.

Sergio explica que é um fenômeno natural associado a uma corrente de água quente que chegou ao Litoral catarinense. “Essa corrente de água quente criou condições propícias para que esse micro-organismo se proliferasse em densidades elevadas o que causa esse fenômeno”, disse.

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Geral

Audiência virtual do TJ-RS é interrompida após homem aparecer sentado nu em vaso sanitário

Poder Judiciário afirma que toma providências para apurar caso. Episódio ocorreu durante sessão da 21ª Câmara Cível

Geral

Prefeitura anuncia medidas de valorização do serviço público

Prefeitura anunciou durante esse mês de maio uma série de ganhos para a categoria

Geral

Porto de Itajaí recebe mais 784 veículos da BMW

A operação ocorreu nesta quarta-feira (25) com a chegada do navio Florida Highway

Geral

Dia dos Namorados; saiba como ganhar Kit Sushi do Itajaí Shopping

Clientes podem trocar notas fiscais que totalizem R$ 450 em compras pelo presente

Geral

Jesse Koz e seu cão Shurastey serão homenageados em BC

Homenagem foi determinado pelo prefeito Fabrício Oliveira e está sendo desenvolvida pela Fundação Cultural de Balneário Camboriú

Mais notícias

Segurança

Idosa confunde pedais e mata a filha atropelada na garagem de casa

Os bombeiros tentaram realizar o procedimento de reanimação, mas não obtiveram sucesso

Segurança

Bebê de cinco meses morre engasgado com leite materno em SC

Ele chegou a ser encaminhado ao hospital, onde a morte foi constatada