keyboard_backspace

Página Inicial

Política

Centro-esquerda vence eleições regionais no Chile e conquista capital

A coligação conquistou 10 das 16 regiões do país, oito das quais obtidas no segundo turno e duas no primeiro.

X
Foto: Reuters

A coligação de partidos de centro-esquerda Unidade Constituinte (UC) foi a grande vencedora do segundo turno das eleições regionais desse domingo (13), conquistando a maioria dos cargos de governador, incluindo o de Santiago. O candidato Claudio Orrego, um militante dos Democratas-Cristãos (DC), venceu com 52,7% dos votos da capital.

A coligação conquistou 10 das 16 regiões do país, oito das quais obtidas no segundo turno e duas no primeiro.

É a primeira vez na história que o Chile elege as suas autoridades regionais, anteriormente nomeadas pelo governo. Essas eleições são consideradas eleições cruciais para a descentralização do país.

“Assumimos este triunfo com grande humildade e tremendo sentido de responsabilidade. Levantar a região metropolitana após a pandemia vai ser uma tarefa muito difícil”, disse Orrego, que venceu em Santiago Karina Oliva (47,27%), da Frente Ampla (FA), uma esquerda mais radical.

Karina declarou que, apesar da derrota, o seu bloco “cresceu” e que “é importante” manter “a unidade, força e organização, mas sobretudo a convicção intacta” de que a região e o país “podem ser muito mais justos e democráticos”.

A direita foi a grande perdedora, apenas conseguindo ganhar nas urnas na região da Araucanía, no centro do país, conhecida por ser uma área de conflito entre as autoridades e os povos indígenas.

Luciano Rivas, um independente que concorreu na lista do bloco de direita dominante Chile Vamos, vai governar a região.

Dados eleitorais
Apenas 2,5 milhões dos 13 milhões de eleitores votaram para eleger os governadores de 13 das 16 regiões do Chile.

A participação nas eleições, que se realizaram em plena pandemia de covid-19 e com toda a capital confinada, foi a mais baixa (19,6%) desde o regresso à democracia em 1990, muito abaixo do mínimo registrado nas eleições municipais de 2016, quando apenas 34,9% exerceram o direito de voto.

Desde que o voto deixou de ser obrigatório em 2012, nenhuma eleição excedeu 50% de participação, à exceção da votação de outubro de 2020 (50,9%). No primeiro turno, o comparecimento às urnas foi ligeiramente superior (43%). Os eleitos tomam posse em 14 de julho para um mandato de quatro anos.

Fonte: Agência Brasil

Política

Participantes de Audiência Pública na Alesc criticam exigência de passaporte sanitário

Participantes criticaram a exigência do passaporte vacinal durante audiência pública da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) realizada na tarde de quinta-feira (2), na Assembleia Legislativa, para debater o Projeto de Lei 317/2021, contra o […]

Política

Sinduscon é homenageado com a Medalha de Honra ao Mérito na Câmara de Itapema

Segundo o vereador, não há como homenagear representantes de seus setores em 2021 e não reconhecer o setor que ajuda a elevar a economia da cidade, gerando emprego e renda à população

Política

Estudantes elegem os 13 vereadores mirins de Itapema para 2022

Mais de 4 mil alunos da rede pública e privada exerceram a cidadania e escolheram seus representantes na Câmara Mirim de Itapema

Política

Bolsonaro mira programas sociais para fortalecer campanha em 2022

Leia na Coluna Esplanada de hoje direto de Brasília

Política

Vereadores de São José devolvem R$ 7 milhões e pedem aplicação em segurança e combate à construções irregulares

A transferência foi feita após um encontro entre o prefeito e os parlamentares, na prefeitura

Mais notícias

Coronavírus

Matriz de Avaliação de Risco Covid-19 aponta 13 regiões no nível moderado

Houve melhora nos indicadores das regiões Alto Vale do Itajaí, Nordeste e Oeste

Segurança

Mãe que abandonou bebê em geladeira é presa pela Polícia Militar

Suposta mãe da criança entregou um embrulho para vizinha, há um ano atrás, dizendo que era um pedaço de carne

Atendente Virtual Visor

Estou disponível, posso ajudar?

openPopup