keyboard_backspace

Página Inicial

Política

Balanço das Eleições: MDB segue sendo o maior partido de SC; PT se isola

Apesar disso, o número de prefeituras do partido passou de 100 para 96 administrações

X
Antonio Augusto/Ascom/TSE

O balanço das eleições do último domingo (15) apontou que o MDB continua sendo o maior partido do Estado de Santa Catarina. Apesar disso, o número de prefeituras do partido passou de 100 para 96 administrações.

A tendência de queda seguiu em outros partidos; em relação às últimas eleições, o PSDB perdeu 7 prefeituras, o PT perdeu 9 e o PSD, 17.

O Partido Liberal (PL) foi o que mais cresceu em números absolutos de prefeituras, ele foi de 12 para 27, mas não triunfou nas grandes cidades. Já o Partido dos Trabalhadores se isolou em uma única região do Estado, no Oeste, onde conseguiu nove prefeitura, com duas exceções, as cidades de Angelina e Santa Rosa de Lima.

Apesar do encolhimento, o MDB segue sendo o partido com maior representação e vai governar em prefeituras que somam 25% dos catarinenses. PSD, PSDB, DEM e PP, na sequência.

Fonte: Visor Notícias

Política

Moisés é absolvido em julgamento e deve voltar ao cargo de governador em Santa Catarina

Por seis votos contrários ao afastamento, o governador volta ao cargo no Estado

Política

AO VIVO: Acompanhe a votação que decide o futuro de Carlos Moisés

O Tribunal Especial de Julgamento vota o primeiro pedido de impeachment contra o governador afastado Carlos Moisés da Silva (PSL) nesta sexta-feira (27) no Plenário da Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina). Clique aqui para […]

Política

2º Turno: Eleitor não pode ser preso a partir desta terça-feira

Restrição a detenções vai até 48 horas após o segundo turno

Política

Câmara de São José ampliou economia e relacionamento com a população

Presidente da Câmara e vice-prefeito eleito, Michel Schlemper, faz balanço positivo da gestão que se encerra em dezembro

Política

Vereador e candidato derrotado à Prefeitura de Garopaba é preso em Brasília

Prisão preventiva foi decretada no final do mês de outubro, na Operação Ordem Urbana II, mas Luiz Antônio de Campos, o Luizinho, estava livre porque a legislação eleitoral proíbe a prisão de candidato nos quinze dias anteriores ao pleito, salvo em flagrante delito

Mais notícias