keyboard_backspace

Página Inicial

Política

Alesc aprova criação da Semana da Conscientização sobre Intolerância ao Glúten

Foi aprovado no plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) um projeto de lei de autoria do deputado Marcius Machado (PL), que institui a criação da Semana da Conscientização sobre a Intolerância ao Glúten, Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca. Para se tornar lei é preciso aguardar a sanção do governador Carlos Moisés da Silva.

X
Para se tornar lei é preciso aguardar a sanção do governador Carlos Moisés da Silva

Foi aprovado no plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) um projeto de lei de autoria do deputado Marcius Machado (PL), que institui a criação da Semana da Conscientização sobre a Intolerância ao Glúten, Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca. Para se tornar lei é preciso aguardar a sanção do governador Carlos Moisés da Silva. 

Segundo Marcius, a criação desta nova legislação tem como objetivo fazer com que pessoas as conheçam estas doenças, que também podem se manifestar durante a vida adulta. “Embora muito já tenha sido feito, acredito ser importante que o Poder Público Estadual estabeleça uma semana para a realização de ampla campanha de esclarecimentos acerca da intolerância ao glúten, lactose e alergia a proteína do leite de vaca. Isso contribuirá muito para a conscientização de diversos segmentos sociais”, destaca Marcius Machado. 

A indicação é para que a Semana de Conscientização aconteça na terceira semana de maio, tendo em vista que, anualmente, no dia 16 deste mês é celebrado o Dia Internacional do Celíaco – doença causada pela intolerância ao glúten. A data foi escolhida para honrar o dia de nascimento de Samuel Gee, primeiro pesquisador a reconhecer que os sintomas da doença celíaca estavam relacionados a dieta alimentar. 

A Doença Celíaca é autoimune e causada pela intolerância a proteína encontrada no trigo, aveia, cevada, centeio e produtos produzidos com esses itens. Ela provoca dificuldade em absorver os nutrientes dos alimentos, vitaminas, sais minerais e água. Alguns sintomas aparecem entre os seis meses e dois anos e meio de vida. No entanto, isso não é regra. Portadores da doença podem manifestar os sintomas na fase adulta, como diarreia ou prisão de ventre crônica; dor abdominal; inchaço na barriga; danos a parede intestinal; falta de apetite; baixa absorção de nutrientes; osteoporose; anemia e desnutrição. 

O Intolerantes a Lactose possuem a incapacidade de digerir o açúcar do leite. O problema é resultado da deficiência ou ausência de uma enzima intestinal chamada lactase, que possibilita a absorção desse açúcar. Entre os sintomas da doença estão a náusea, dor abdominal, diarreia, gases e desconforto, que podem levar de alguns minutos até muitas horas para aparecer. 

Já a Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV), é uma das mais comuns em bebês e, geralmente, é confundida com Intolerância a Lactose. A alergia é uma reação do sistema de defesa do organismo às proteínas do leite. Em um dos tipos, isso causa reações anafiláticas, já no outro o sistema imune e ataca o sistema digestivo.

Política

Moisés é absolvido em julgamento e deve voltar ao cargo de governador em Santa Catarina

Por seis votos contrários ao afastamento, o governador volta ao cargo no Estado

Política

AO VIVO: Acompanhe a votação que decide o futuro de Carlos Moisés

O Tribunal Especial de Julgamento vota o primeiro pedido de impeachment contra o governador afastado Carlos Moisés da Silva (PSL) nesta sexta-feira (27) no Plenário da Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina). Clique aqui para […]

Política

2º Turno: Eleitor não pode ser preso a partir desta terça-feira

Restrição a detenções vai até 48 horas após o segundo turno

Política

Câmara de São José ampliou economia e relacionamento com a população

Presidente da Câmara e vice-prefeito eleito, Michel Schlemper, faz balanço positivo da gestão que se encerra em dezembro

Política

Vereador e candidato derrotado à Prefeitura de Garopaba é preso em Brasília

Prisão preventiva foi decretada no final do mês de outubro, na Operação Ordem Urbana II, mas Luiz Antônio de Campos, o Luizinho, estava livre porque a legislação eleitoral proíbe a prisão de candidato nos quinze dias anteriores ao pleito, salvo em flagrante delito

Mais notícias