keyboard_backspace

Página Inicial

Política

Administração pública da Argentina é obrigada a contratar transexuais, travestis e transgêneros

Lei foi aprovada pelo Parlamento por 55 votos a favor e um contra

X
Reuters/Agustin Marcarian

O Parlamento argentino aprovou lei que obriga o Estado a reservar pelo menos 1% das vagas na administração pública para travestis, transexuais e transgêneros e cria incentivos fiscais para que empresas privadas sigam o mesmo caminho.

A denominada “lei trans” de inclusão laboral, que cria um sistema de cotas obrigatórias para o coletivo trans (travestis, transsexuais e transgêneros), foi aprovada pelo Senado, depois de ter passado pela Câmara de Deputados, com 55 votos a favor, apenas um voto contra e seis abstenções.

Mais do que discutir cotas laborais para travestis, transexuais e transgêneros, a lei define que esse coletivo começará a ter direitos humanos. A medida visa a compensar tanta dor e tanto desamparo durante décadas”, resumiu a senadora Norma Durango, uma das apoiadoras das novas regras para as contratações na administração pública.

Críticos do projeto questionaram o fato de o Estado não promover as contratações por capacidade e competência e a prioridade do tema numa agenda pública, que devia passar pelas urgências sanitárias e econômicas do país.

“Talvez este não seja o momento adequado, mas quando foi? Quanto tempo mais será necessário esperar para que essas pessoas tenham uma vida digna?”, questionou Durango.

“O objetivo da lei é que essa população possa melhorar a qualidade de vida”, acrescentou o senador Carlos Lovera.

Durante a jornada legislativa com discursos emocionados, os senadores destacaram que a esperança de vida para as pessoas trans é de 40 anos e apenas uma em cada dez pessoas têm um trabalho legítimo.

“Hoje começamos a escrever outro capítulo da história. O nosso coletivo poderá ter emprego formal e decente. E poderá também transformar uma sociedade que, historicamente, associou e confinou os travestis à prostituição e à criminalidade”, congratulou-se a presidente da Convocação Federal Trans Travesti, Claudia Vásquez Haro.

A nova lei, além de criar um patamar mínimo de 1% de vagas para pessoas trans, considera os fatores sociais de vulnerabilidade para esse segmento.

A nova legislação também indica que antecedentes “penais irrelevantes” não poderão ser impedimentos para a contratação e que a cota trans terá prioridade nas contratações do Estado.

Por outro lado, a lei cria ferramentas para incentivar o setor privado a contratar funcionários trans. As contribuições patronais geradas com a contratação de pessoas trans poderão ser deduzidas nos impostos. Além disso, por meio da banca pública, o Estado vai conceder créditos a taxas subsidiadas para empresas que contratarem travestis, transexuais e transgêneros.

Fonte: Agência Brasil

Fonte: Visor Notícias

Política

A retomada gradativa das atividades fez aumentar o número de acidente em todo o Brasil

Acidentes aumentam A retomada gradativa das viagens de turismo, de negócio e das atividades do dia-a-dia pela população, mesmo diante das restrições por causa da pandemia do Covid-19, recrudesceu os números de acidentes nas rodovias […]

Política

Roberto Requião deixa o MDB depois de 40 anos

Leia na Coluna Esplanada de hoje direto de Brasília

Política

“Meu nome é Enéas”, biografia não autorizada está em fase final

Leia Coluna Esplanada desta segunda-feira (02) direto de Brasília

Política

O PSD vai ter candidato a governador em Santa Catarina, afirma Gilberto Kassab

Presidente nacional do partido esteve em Florianópolis nesta sexta

Política

Presidente do IMP e Delegado da Marinha se reúnem para firmar parceria

Objetivo da parceria é desenvolver ações de proteção ao meio ambiente

Mais notícias

Coronavírus

Jovem que dizia estar ‘muito ocupada para tomar a vacina’, morre de Covid-19

Ela deixa um filho de 2 anos, que tem autismo, e duas meninas, de 4 e 7 anos

Segurança

Funcionário é achado morto e patrão pendurado na árvore em piquete de gado em SC

Patrão foi resgatado com vida; ele estava todo ensanguentado