keyboard_backspace

Página Inicial

Brasil

Acordo garante desconto para alunos de 34 escolas particulares de SC

Nas duas últimas semanas, mais oito escolas de Florianópolis chegaram a um acordo com a 29ª Promotoria de Justiça da Capital e a Defensoria Pública do Estado e garantiram descontos nas mensalidades devido aos impactos da pandemia de covid-19 na economia – que afetou o rendimento das famílias – e à suspensão das aulas presenciais – que atingiu os custos de manutenção e o serviço educacional que passou a ser oferecido de maneira remota.  

Os acordos firmados com o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e a Defensoria Pública do Estado (DPE) garantem os descontos enquanto as atividades em sala de aula estiverem suspensas. As escolas que não fizeram acordo ainda podem buscar uma solução negociada a qualquer momento, mas, enquanto isso não acontece, continuam respondendo às ações civis públicas que pedem a redução das mensalidades por causa da suspensão das aulas presenciais.

Os descontos são proporcionais ao número de alunos matriculados antes da pandemia e variam conforme o nível de ensino: para a educação infantil, são 15% nas escolas com até 100 alunos, 25% nas com mais de 100 e até 200 alunos e 35% quando forem mais de 200 alunos; nos ensinos fundamental e médio, 10% nas escolas com até 200 alunos, 20% naquelas com mais de 200 e até 300 alunos e 30% quando houver mais de 300 alunos.

Acordos e fatos novos levam à reiteração de pedido de liminar

Além dos acordos já feitos, uma liminar concedida pelo Tribunal de Justiça em recurso do MPSC e da DPE obriga todas as creches e pré-escolas a concederem um desconto mínimo de 15% desde a primeira mensalidade vencida a partir de junho. A decisão atendeu parcialmente ao pedido de antecipação de tutela feito nas ações civis públicas, que requeriam, de forma cautelar, a concessão de descontos nos mesmos patamares conquistados nos acordos, retroativamente a 19 de março – data em que a suspensão das aulas presenciais entrou em vigor –  e para os três níveis de ensino, do infantil ao médio.

Agora, após o sucesso das negociações e com base em várias informações levantadas nas reuniões com as escolas, o MPSC e a Defensoria Pública pediram ao Judiciário que reavalie a tutela de urgência que foi indeferida, afirmando que “o serviço educacional segue interrompido há longos cinco meses e consumidores enfrentam cada vez mais dificuldades para manter os pagamentos integrais das mensalidades, muitos acabando por rescindir os contratos em razão da incapacidade financeira que se estabeleceu no período”.

Com o novo pedido de tutela, os autores da ação objetivam reverter decisões proferidas no início do mês de junho, que indeferiram a aplicação de descontos escalonados de acordo com o porte das instituições de ensino.

O MPSC e a DPE argumentam que, enquanto muitas pequenas escolas “têm demonstrado especial esforço, desde o início da suspensão das aulas presenciais, para conceder descontos, as instituições de maior porte, mais resilientes à crise econômica, em geral, não têm demonstrado a mesma solicitude para com os seus consumidores, já tão castigados pelo longo período sem prestação dos serviços presenciais contratados”.

As duas instituições destacam, ainda, que o tratamento igualitário sem distinção pelo porte das escolas rés, conforme pedidos das ações, contribui negativamente interferindo na livre concorrência, “fazendo com que os pequenos sucumbam e os grandes mantenham-se hegemônicos para o próximo ano letivo”.

 

 

Brasil

Namorada é suspeita de usar agulha de narguilé para matar jovem de 24 anos

Segundo ela, os dois brigaram por causa de um pastel, ele quebrou o narguilé e ela o atingiu no peito com a agulha durante a briga

Brasil

Trabalhadores nascidos em dezembro recebem nesta segunda crédito do FGTS

Pagamento é feito por meio da conta poupança digital da Caixa

Brasil

Xuxa revela que levou fora de Pelé por ser virgem

Autobiografia de Xuxa promete fazer grandes revelações

Brasil

Desgaste faz Planalto buscar nome para o lugar de Paulo Guedes

Leia na Coluna esplanada de hoje direto de Brasília

Brasil

São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac

Medicamento estará disponível ainda em outubro

Mais notícias